Hematopoiese

A hematopoese é um sistema altamente organizado responsável pela produção das células sanguíneas (eritrócitos, leucócitos e plaquetas) . O controle da proliferação, diferenciação e maturação destas células é feito através de uma complexa interação molecular das células com o microambiente da medula óssea. Este microambiente complexo produz glicoproteínas solúveis genericamente chamadas de citocinas, que controlam a mitose e a diferenciação das células hematopoéticas.

Local de formação

Nas primeiras semanas de gestação (aproximadamente 15º-18º dia), o saco vitelino é o principal local de hematopoiese. De seis semanas até seis a sete meses de vida fetal, o fígado e o baço são os principais órgãos envolvidos e continuam a produzir os elementos figurados do sangue até cerca de duas semanas após o nascimento.
A medula óssea dos ossos chatos, é o local mais importante a partir de seis a sete meses de vida fetal e, durante a infância e a vida adulta, é a única fonte de novos elementos figurados. As células em desenvolvimento estão situadas fora dos seios da medula óssea, enquanto as maduras são liberadas nos espaços sinusais e na microcirculação medular e, a partir daí, na circulação geral
No período da lactação, toda a medula óssea é hematopoética, mas durante a infância há substituição progressiva da medula por gordura nos ossos longos, de modo que a medula hemopoética no adulto é confinada ao esqueleto central e às extremidades proximais do fêmur e do úmero. Mesmo nessas regiões hematopoéticas, aproximadamente 50% da medula é de gordura. A medula óssea gordurosa (amarela) remanente é capaz de reverter para hematopoese e, em muitas doenças , também há expansão da mesma nos ossos longos. Além disso, o fígado e o baço podem retomar seu papel hematopoético fetal (hematopoese extramedular).

Ontogenia da Hematopoese:

  1. Fase mesoblástica: Fase inicial, no saco vitelino (10ª semana).
  2. Fase hepato-esplênico: No fígado (6ª semana), no baço  e linfonodos (12ª semana)
  3. Fase Medular: Medula óssea fetal (16ª semana).

Medula óssea

A medula óssea contém um estroma complexo, consistindo de uma rede de tecido conjuntivo e uma variedade de tipos celulares, incluindo fibroblastos, macrófagos, adipócitos-like, células musculares lisas, células reticulares e endoteliais. Os adipócitos medulares aparentemente possuem a função mecânica de controlar o volume hematopoético, que por sua vez controla o aumento de inclusões gordurosas na medula.

  • Microambiente medular: células estromais, tecido conjuntivo (células de fronteira), células adventícias (células de sustentação da medula óssea - citoesqueleto da medula), tecido adiposo.
Na medula óssea, esta célula primordial, na presença de células do estroma, matriz extracelular e sob a ação de diversos fatores de crescimento e citocinas, dão origem a células progenitoras de linhagens mielocíticas, linfocítica, megacariócitos e eritroblastos.
  • O progenitor mieloide dá origem aos eritrócitos, plaquetas, granulócitos (neutrófilos, eosinófilos, basófilos), mastócitos e os monócitos.
  • O progenitor linfoide da origem a linfócitos T e B e células NK (natural killer).

Citocinas


São glicoproteínas que tem como função a regulação da hematopoese por mecanismos complexos. Elas estimulam e controlam a produção de células sanguíneas. Os genes responsáveis pela síntese de alguns (GM-CSF, MK-CSF, IL-4, IL-45, IL-9) localizam-se no braço longo do cromossomo 5 e os genes que codificam a eritroportina (EPO), no cromossomo 7.

Eritropoetina: Secretada pelos rins, estimula a produção de hemácias.
Trombopoetina: Secretada pelos rins, estimula a produção de megacariócitos.

Abaixo um esquema de como interagem citocinas e fatores de crescimento para a formação das células sanguíneas:







Fonte: