Extração e Caracterização de Taninos

Aula Prática de Farmacognosia
TANINOS
Taninos são substâncias complexas presentes em inúmeros vegetais, os quais têm a propriedade de se combinar e precipitar proteínas de pele de animal, evitando sua putrefação e, consequentemente, transformando-a em couro. São substâncias detectadas qualitativamente por testes químicos ou quantitativamente pela sua capacidade de se ligarem ao pó de pele. A ligação entre taninos e proteínas ocorre, provavelmente, através de pontes de hidrogênio entre os grupos fenólicos dos taninos e determinados sítios das proteínas, emprestando uma duradoura estabilidade a estas substâncias. Essa definição exclui substâncias fenólicas simples, de baixo peso molecular (compreendido entre 500 e 3000 Dalton), frequentemente presentes com os taninos, como os ácidos clorogênico, gálico e outros que, por também precipitarem gelatina, são conhecidos como pseudotaninos. 
Precursor dos taninos hidrolisáveis
Classicamente, segundo a estrutura química, os taninos são classificados em dois grupos:
  • Hidrolisáveis: Os taninos hidrolisáveis consistem de esteres de ácidos gálicos e ácidos elágicos glicosilados, formados a partir do chiquimato, onde os grupos hidroxila do açúcar são esterificados com os ácidos fenólicos. São chamados de hidrolisáveis, uma vez que suas ligações esteres são passíveis de sofrerem hidrólise por ácidos ou enzimas. Em solução desenvolvem coloração azul com cloreto férrico, assim como o ácido gálico. 
  • Condensados: Os taninos condensados incluem todos os outros taninos verdadeiros. Suas moléculas são mais resistentes à fragmentação e estão relacionadas com os pigmentos flavonoides. Sob tratamento com ácidos ou enzimas esses compostos tendem a se polimerizar em substâncias vermelhas insolúveis, chamadas de flobafenos. Essas substâncias são responsáveis pela coloração vermelha de diversas cascas de plantas. Em solução, desenvolvem coloração verde com cloreto férrico, assim como o catecol.
 
Os taninos são adstringentes e hemostáticos e, portanto, suas aplicações terapêuticas estão relacionadas com essas propriedades. São empregados principalmente na indústria de curtume e têm também aplicação na indústria de tintas. São usados em laboratórios para detecção de proteínas e alcaloides e empregados como antídotos em casos de envenenamento por plantas alcaloídicas.
Os taninos têm sido alvo de diversos estudos, sendo que a maioria vem abordando interações ecológicas entre vegetais e herbívoros, visto que se têm sugerido que os teores de taninos podem diminuir a taxa de predação por se tornarem impalatáveis, afastando seus predadores naturais. 

Pesquisas sobre atividade biológica dos taninos evidenciaram importante ação contra determinados microrganismos, como agentes carcinogênicos e causadores de toxicidade hepática. Estes últimos efeitos, sem dúvida, dependem da dose e do tipo de tanino ingerido. Um exemplo é a ingestão de chá verde e de dietas ricas em frutas que contêm taninos, onde tem sido associada com atividade anticarcinogênica. Além disso, podem agir como anti-inflamatórios e cicatrizantes, e até como inibidores da transcriptase reversa em HIV.

ANÁLISE QUALITATIVA DE TANINOS

Goiabeira: folhas de Psidium guajava L., Myrtaceae




Materiais

  • Folhas de goiabeira (Colhida do pé de goiabeira da Faculdade em um dia chuvoso)
  • Cloreto férrico
  • Água
  • MeOH
  • Balança
  • Almofariz (gral e pistilo)
  • Funil
  • Algodão
  • Bequer
  • Provetas
  • Tubo de ensaio
  • Suporte universal

Procedimento

  • Preparar uma solução de MeOH 10% 20 ml: 18 ml de água + 2 ml de MeOH 10%: 
  • Fazer a mondagem das folhas de goiaba
  • Pesar 3g de folhas na balança
  • Triturar as folhas no gral com o auxílio do pistilo
  • Acrescentar, no gral, a solução feita e misturar
  • Filtrar 
  • Colocar 5 ml da solução filtrada em 2 tubos
  • Acrescentar 5 gotas do reagente cloreto férrico em cada tubo
  • Observar o resultado
  

Resultados


  • Coloração azul com precipitado: reação positiva para taninos hidrolisados
  • Coloração azul sem precipitado: reação negativa para taninos hidrolizados
  • Coloração verde sem precipitado: reação positiva para taninos condensados
  • Coloração verde com precipitado: reação negativa para taninos condensados

O resultado da análise foi: Coloração verde com precipitado e azul com precipitado.
Obs.: A aleloquímica e a alelopatia interfere no resultado final.


FONTE:

  • http://www.sbfgnosia.org.br/Ensino/taninos.html
  • http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0100-40422005000500029&script=sci_arttext