Teste do Bafômetro: dá para escapar?

Em 1954, um médico do Departamento de Polícia de Indiana (Estados Unidos) desenvolveu um aparelho que seria capaz de identificar a concentração de álcool no sangue por meio da análise do ar presente nos pulmões. Em vez de sistemas eletrônicos, os bafômetros do doutor Robert Borkenstein realizavam misturas químicas com várias soluções, sendo que a concentração alcoólica era revelada pela análise da cor do líquido gerado na reação – e não mostrada em um visor eletrônico, como acontece atualmente.
Todos os tipos de bafômetros são baseados em reações químicas.  Os reagentes mais comuns são dicromato de potássio e célula de combustível. A diferença entre estes dois reagentes é que o dicromato muda de cor na presença do álcool enquanto a célula gera uma corrente elétrica.

O passo-a-passo do funcionamento do bafômetro

Você dá um gole e, em poucos segundos, o álcool começa a ser absorvido pelo estômago, cai na corrente sanguínea e passa em forma de vapor para os pulmões. O processo inverso é bem mais longo. 
É necessário 1 litro e meio de ar para fazer a medição, um sopro de cerca de 5 segundos.

1. Com a ajuda de um catalisador, o álcool expirado reage com o oxigênio presente no aparelho.
2. A reação libera ácido acético, íons de hidrogênio e elétrons.
3. Os elétrons passam por um fio condutor, gerando corrente elétrica. Quanto mais álcool, maior a corrente: um chip faz as contas e dá a concentração de álcool no sangue.
4. Ao fim do processo, sobra só água na forma de vapor.


A margem de erro do aparelho é de 0,007 mg/l (para quantidades menores de 0,4 mg/l), ou seja, cerca de 1%, segundo o INMETRO.

Veja quanto tempo, em média, uma dose leva para desaparecer do seu corpo:
  • Um copo de cerveja (350 ml) - 1 hora
  • Uma dose de pinga, tequila ou uísque (50 ml) - 1 h e 15 min
  • Uma dose de vinho (150 ml) - 1 h e 25 min

Veja algumas das principais influências negativas do álcool sobre o motorista:
  • Exige mais tempo de reação para que os motoristas escapem de acidentes;
  • Diminui a capacidade de desviar a atenção para pontos mais relevantes (fixação);
  • Limita a percepção dos motoristas.
Etanol no sangue (gramas/litro)EstágioSintomas
0,1 a 0,5SobriedadeNenhuma influência aparente.
0,3 a 1,2EuforiaPerda de eficiência, diminuição da atenção, julgamento e controle
0,9 a 2,5ExcitaçãoInstabilidade das emoções, incoordenação muscular. Menor inibição. Perda do julgamento crítico
1,8 a 3,0ConfusãoVertigens, desequilíbrio, dificuldade na fala e distúrbios da sensação.
2,7 a 4,0EstuporApatia e inércia geral. Vômitos, incontinência urinária e fezes.
3,5 a 5,0ComaInconsciência, anestesia. Morte
Acima de 5MorteParada respiratória
Dirigir embriagado é uma infração gravíssima. Se ao soprar o bafômetro sua taxa de álcool no sangue der entre 0,1mg/L e 0,3mg/L você terá retenção do veículo até a apresentação de condutor habilitado e recolhimento do documento de habilitação, terá seus direitos de dirigir suspensos por um ano e arcará com a multa de R$ 1.915,40. Contudo, se sua taxa de álcool no sangue der entre 0,4mg/L e 6dg/L, além de você perder a carteira, ter seu direito de dirigir suspenso por um ano e pagar a multa, você será preso em flagrante e responderá um processo penal.

Dá pra enganar o bafômetro?

Algumas pessoas acham que o bafômetro é medido pelo hálito e utilizam algumas técnicas para tentar enganar:
  • Tomar azeite: Não funciona.
  • Mascar chiclete: Só engana o parceiro, mas não o bafômetro.
  • Encher a boca de carvão ativado: Como é muito poroso, o carvão absorveria as moléculas voláteis de álcool na boca, antes que ele chegasse ao aparelho. Funciona pouco. Não o suficiente para evitar uma perda de carteira.
  • hiperventilação: Inspirar muito ar e depois expirar tudo, repetidas vezes, com força e velocidade, por 20 segundos, aumentaria a concentração de oxigênio nos pulmões, diminuindo a concentração de álcool na baforada. 
Reduz em quase 25% a concentração momentânea do álcool nos pulmões. Mas não se engane: essa variação dura pouco e só salva quem bebeu um copinho de cerveja. Se for mais que isso, a multa e a apreensão vêm do mesmo jeito.
  • Absorvente com Vodca: Não é suficiente, além de perigoso.
Alguns jovens tem utilizado essa e outras técnicas para fugir do teste do bafômetro. Os riscos para quem consome álcool (ânus e vagina) são exatamente os mesmos dos métodos convencionais. O que conta é a quantidade de álcool ingerida, porque independente de onde for, o corpo vai absorver do mesmo jeito. O grande problema é o uso abusivo do álcool, independente da via.
No entanto, além do comportamento extremamente invasivo ao corpo, o ânus, por exemplo, tem mais terminações nervosas e mucosas mais expostas, o que causa uma absorção mais rápida e compromete a percepção da quantidade ingerida.

O único jeito de enganar o bafômetro é a seguinte forma:


FONTE

  • http://super.abril.com.br/tecnologia/como-funciona-bafometro-447645.shtml
  • http://www.tecmundo.com.br/infografico/23251-como-funciona-o-bafometro-infografico-.htm
  • http://pt.wikipedia.org/wiki/Baf%C3%B4metro
  • http://advogadoembrasilia.wordpress.com/2013/01/22/fui-pego-no-bafometro-e-agora/
  • http://www.pragmatismopolitico.com.br/2013/05/jovens-consomem-alcool-pelo-anus.html
  • http://www.cnt.org.br/Imagens%20CNT/teste_bafometro.jpg
  • http://xpock.com.br/wp-content/uploads/2011/07/cerveja.jpg